Fisioterapia nos tumores gastrointestinais

Compartilhe nas suas redes sociais:

Pacientes com os mais diversos tipos de cânceres gastrointestinais possuem características semelhantes nas alterações metabólicas e fisiológicas, em virtude do catabolismo que a doença causa, uma vez que há a alteração no ciclo de ingestão, digestão e absorção dos nutrientes dos alimentos. Nesta condição, os pacientes podem sofrer consequências negativas quando estas alterações são somadas aos diversos tratamentos, que muitas vezes incluem a ressecção cirúrgica que normalmente é considerada a primeira escolha para o tratamento curativo, seguido de quimioterapia e radioterapia.

Alterações pulmonares são consideradas as principais complicações decorrentes do procedimento cirúrgico, que somada à alteração do perfil metabólico, contexto sócio e emocional, podem acarretar no aumento do tempo de internação hospitalar, além da própria morbimortalidade.

Recursos fisioterapêuticos baseados em evidências são de extrema importância para que além da mobilização precoce durante a internação hospitalar, usem-se estratégias para o ganho da capacidade funcional e independência para retorno as atividades de vida diária e assim esse paciente retome a vida em sociedade.

 

por Dra Andreia F Nunes

  • Fisioterapeuta, graduada pelo Centro Universitário São Camilo
  • Mestre em Fisioterapia pela Universidade Cidade de São Paulo
  • Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em Oncologia e Hospitalar pelo Hospital AC Camargo Cancer Center
  • Pós-Graduação em Fisiologia do Exercício (CEFIT-UNIFESP)
  • Pós-Graduação em Oncologia Multiprofissional – Hospital Israelita Albert Einstein
  • Atualmente trabalha na Unidade Externa do Hospital Israelita Albert Einstein – ambulatório de oncologia e Hospital AC Camargo Câncer Center – Unidade de Internação e Terapia Intensiva
  • Professora convidada para cursos de pós graduação e aprimoramento profissional para aulas relacionadas à fisiologia do exercício, fisioterapia hospitalar, respiratória e oncológica
Fisioterapia nos tumores gastrointestinais