Funcionalidade do paciente oncológico: novas perspectivas no processo terapêutico

Compartilhe nas suas redes sociais:

O processo de cuidado do paciente oncológico vem evoluindo com o tempo e atualmente a abordagem multiprofissional com enfoque interdisciplinar já é uma realidade em muitos estados brasileiros. Sendo assim, o paciente é visto para além da doença, e há um compromisso ético e terapêutico com a pessoa em tratamento, no sentindo de oferecer a melhor assistência, no menor espaço de tempo, com vistas a otimização da qualidade de vida deste.

Contudo, é importante destacar que os nossos pacientes vivem e experimentam contextos diferentes, que acabam interferindo na recuparação ou até mesmo no desenvolvimento da doença, por meio das barreiras e facilitadores diversos, sejam eles fatores ambientais ou pessoais, somando-se aos fatores biológicos já amplamente abordados.

Nesse sentido, faz-se pertinente discutir a atuação dos fisioterapeutas em oncologia na perspectiva da Funcionalidade Humana. Essa abordagem da Funcionalidade Humana está ancorada no modelo biopsicossocial e holístico, e ganhou força com a publicação da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e saúde pela Organização Mundial de Saúde em 2001. Embora internacionalmente a abordagem centrada no contexto  e utilização da CIF, já sejam realidades na área da Oncologia; no Brasil, ainda são necessários esforços no sentido de divulgação e popularização do seu uso.

Entender o paciente oncológico na perspectiva da Funcionalidade Huamana, dentre outros aspectos, modifica o planejamento terapêutico, pois os pacientes passam a ser protagnistas do atendimento, inclusive no processo decisório, e os alvos terapêuticos passam a ser desfechos que garantam uma interação positiva entre as estruturas e funções biológicas, atividades do dia-a-dia e participação social dessas pessoas. Indo além da visão reducionista do retorno fisiológico a níveis anteriores à doença.

 

por Dr Diego de Sousa Dantas

  • Fisioterapeuta pela Universidade Estadual da Paraíba.
  • Doutor em Biotecnologia (área de Oncologia experimental) pela Rede Nordeste de Biotecnologia
  • Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Docente do curso de Graduação em Fisioterapia (FACISA-UFRN)
  • Docente permanente dos Programas de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (UFRN-FACISA) e Ciências da Reabilitação (UFRN)
  • Vice-líder do Grupo de Pesquisa em Saúde e Funcionalidade UFRN/FACISA/CNPQ
  • Bolsista de Desenvolvimento Tecnológico Industrial do CNPq
  • Docente das disciplinas de Fisioterapia em Oncologia e Estágio supervisionado em Ginecologia e Oncologia (UFRN)
  • Desenvolve pesquisas na área de Rede de atenção Oncológica no SUS, Atenção Fisioterapêutica em Oncologia e usos da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde em Oncologia
Funcionalidade do paciente oncológico: novas perspectivas no processo terapêutico